CCDR-N destaca “retorno fabuloso” do investimento em parques de ciência e tecnologia

CCDR-N destaca “retorno fabuloso” do investimento em parques de ciência e tecnologia

O presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N) considerou, no dia 19 de novembro, “fabuloso” o retorno público da Rede de Parques de Ciência e Tecnologia e Incubadoras, onde foram investidos cerca de 50 milhões de euros.

“O retorno público dos projetos que já estão consolidados é fabuloso”, afirmou Emídio Gomes, que falava à margem do I Encontro de Redes de Apoio ao Empreendedorismo que decorreu terça-feira , em Vila Real.

No âmbito do Programa Operacional da Região Norte foram aplicados cerca de 50 milhões de euros na Rede de Parques de Ciência e Tecnologia e Incubadoras.

“Ao fim de três anos as empresas da Sanjotec, onde se gastou 1,5 milhões de euros de fundos públicos, vendem 12 milhões de euros por ano, exportam cinco milhões de euros por ano e pagam em impostos diretos 2,2 milhões de euros”, sustentou Emídio Gomes.

A Sanjotec é o Centro Empresarial e Tecnológico de São João da Madeira.

Por sua vez, o UPTEC – Parque de Ciência e Tecnologia da Universidade do Porto ultrapassará em breve, segundo o responsável, “as duas centenas de empresas instaladas”, tendo sido distinguido como o melhor exemplo europeu em matéria de investimento de apoio ao desenvolvimento e inovação em área de parques de ciência e tecnologia.

No AvePark, Parque de Ciência e Tecnologia de Guimarães, Emídio Gomes destacou a instalação do primeiro centro de excelência europeu na área da medicina regenerativa.

Mais atrasado está o Parque de Ciência e Tecnologia de Trás-os-Montes e Alto Douro, que se divide nos polos de Bragança e Vila Real e reapresenta um investimento total de 15 milhões de euros.

Este projeto resulta de uma parceria entre as câmaras de Vila Real e Bragança, a Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), o Instituto Politécnico de Bragança e a PortusPark – Rede de Parques de C&T e Incubadoras.

Em Vila Real, o projeto está atrasado, estando em andamento, segundo o presidente da Câmara de Vila Real, Rui Santos, uma parte das infraestruturas, faltando a adjudicação de dois edifícios para que a parte física seja completada.

Um dos projetos está à espera do visto do Tribunal de Contas, sendo a obra consignada logo após.

“O projeto foi aprovado, estão já determinadas as empresas que irão construir, agora é necessário torná-lo funcional com projetos que o alimentem para que não se torne em mais um elefante branco deste país”, referiu o reitor da UTAD, Fontainhas Fernandes.

fonte: Lusa

Write a Comment

Your e-mail address will not be published.
Required fields are marked*